Quase Melhor Amiga: Conheces? | Minnie Me Entrevista #6

10:20

Quase

"Quase Melhor Amiga", já ouviste falar? Hoje apresento-te a Cláudia!

Na blogosfera desde 2010, Cláudia Sofia, autora do "Quase Melhor Amiga", está a passar uma das fases mais bonitas da vida. Mas é também nesta fase que está a passar as maiores dificuldades.

Hoje mostro-vos quem é a Cláudia, que tive o prazer de conhecer em março, no evento da "Van Swonkie", no Porto. No final, deixo um apelo a quem puder ajudar a Cláudia.

Quase

1. Quem é a Cláudia?

A "Quase Melhor Amiga" tem 24 anos e é uma mulher que procura ser sempre mais. Tem como objetivo de vida superar-se e é uma menina de sonhos, alguns já concretizados.

Enfermeira, filha e, brevemente, mãe.


2. Tens um blogue... - "Quase Melhor Amiga" - 

O blogue nasceu do gosto pela escrita, desde de sempre tive alguma facilidade na elaboração de textos e também alguma criatividade. Como fui vítima de bullying, a escrita passou a ser um escape.

Houve um momento em que senti que a minha experiência podia ser uma mais valia para os outros e decidi partilhar algumas coisas, sobretudo como me sentia.

Com o tempo, após acabar a licenciatura e depois de me ter dado conta que havia muita falta de informação/informação errada a circular na blogosfera, decidi incluir uma parte de saúde/lifestyle, também baseada nas minhas experiências e conhecimento.

O meu primeiro melhor amigo. O meu escape. A minha forma de me mostrar ativa e útil à sociedade.


3. Bullying... Um tema real. Achas que com o blogue podes ajudar alguém?

Sim, apesar das pessoas que sofrem desta epidemia terem muito medo, pelo menos não se sentem sozinhas. Já recebi várias mensagens anónimas a pedir ajuda, a pedir conselhos...

Posso não ter chegado a muita gente, mas desde que tenha ajudado pelo menos uma pessoa, já cumpri a minha missão

Se cada blogger conseguir fazer algo por alguém, todos os dias, este mundo pode melhorar muito.

Quase

4. Por trás de uma mulher que já passou por alguns momentos menos bons, há sempre um homem...

Há, sem dúvida que há. Os meus avós, os meus pilares sempre. E depois, claro, o corajoso que foi capaz de me suportar, independentemente do meu feitio, dos meus medos e fantasmas... O meu Homem.


5. Namoram há cerca de dois anos... Como é viveres esta história de amor?

É uma aprendizagem constante. Temos feitios opostos, eu sou a tempestade e ele a calma... Acho que esse pormenor faz a diferença. Ele acalma-me quando estou furiosa e eu viro-o ao contrário quando começa a ficar parado.

Acima de tudo há respeito e esse sim, é o ingrediente essencial. É o que nos faz encontrar o equilíbrio, mesmo quando temos opiniões diferentes, famílias diferentes, etc.

Quase

6. Recentemente descobriste que estavas grávida...

Contrariamente ao que seria esperado, descobri que estava grávida por acaso. Andava com umas dores esquisitas no fundo da barriga, mas pensava que era pela carga que faço no trabalho.

Fui às urgências e... Surpresa! "Vai ter uma menina!" Fiquei em choque. Eu e ele. E foi difícil habituar-me à ideia. Ele reagiu melhor do que eu.

A família... A minha reagiu mal. Há valores religiosos, difíceis de ultrapassar, o que fez com que a notícia fosse contra as expectativas e planos que outros tinham para a minha vida. 

A dele reagiu bem melhor... Até mandaram fazer um bolo para comemorar.


7. A nossa família tem sempre planos para nós que por vezes tomam outro rumo. Neste momento estás de 31 semanas... Como estão neste momento as famílias?

Mantém-se tudo como no início. A família dele apoia, tanto a nós como à menina. A minha continua reticente e para não estar constantemente sob stress, decidi afastar-me um bocado

Quem quiser ajudar, muito bem. Que não quiser e estiver mais importado em dar opiniões, não precisa de fazer frets só para ficar de consciência limpa.

Quase

8. E como está a ser preparar toda esta fase? 

Com a descoberta da gravidez, e tendo em conta as reações familiares, tivemos de acelerar os nossos planos. Tivemos que arranjar casa e por aí. Não tínhamos nada preparado.

Trabalhamos, os nossos ordenados não são altos e isso dificulta um bocado as coisas.


9. Estão a passar uma fase económica mais instável é isso?

Sim, podemos dizer que sim. Não passamos fome, mas recorremos sempre ao mais barato e ao essencial. Comprar coisas em segunda mão, por exemplo, faz parte.

Óbvio que preferia comprar tudo novo e ter mais conforto... Mas neste momento é reunir o máximo das coisas pelo menor custo possível.

Temos noção que um bebé envolve muitos custos e estamos a ter muitas despesas e, uma vez que não ganhamos muito, torna-se bastante difícil conseguir comprar mais do que o essencial.

Neste momento temos o mínimo para quando o bebé nascer... Depois será complicado gerir: fraldas, vacinas, leite (caso seja necessário), mas tenciono amamentar o máximo, pois será bom para o bebé e bom financeiramente.

Quase

10. Daqui a menos de 10 semanas, já têm na vossa vida aquela que será a pessoa mais importante. Ainda há coisas que faltam?

Sim, grande parte do que temos foi dado, há coisas que ainda não comprámos porque ainda estamos na esperança de conseguir mais coisas em segunda mão.

Temos muito pouca coisa... Precisamos de roupa de cama, fraldas, produtos de higiene, kit de higiene (escova, pente, tesoura de pontas redondas e termómetro), bomba extratora de leite, biberões e mala da maternidade.


11. Com mais ou menos dificuldades, nunca pensaste em não ter esta bebé? Como é perceber que vão ter tantas adversidades?

Ela é a única que não tem culpa de nada, portanto, não pensei sequer na possibilidade de não a ter. 

Mas é frustrante perceber que não consegues ter uma vida melhor, mesmo quando somos licenciados... É muito mau perceber que na vida real, onde há contas e responsabilidade, não vale a pena teres habilitações académicas.

Quase

12. Olhas para o futuro com que expectativa?

Trabalho, muito trabalho. Trabalhar para dar o melhor/máximo que conseguir. Não quero dar-lhe menos do que tive.


13. Que certezas tens neste momento?

Que vou ser mãe daqui a umas semanas... 

Mas o importante é tentarmos fazer o melhor com o que há, educarmos a nossa filha, estarmos e permanecermos unidos e fazê-la sentir-se amada e desejada.

Não tenciono desistir e vou continuar à procura de novas e melhores oportunidades.

Quase

E pronto, esta é a "Quase Melhor Amiga"


Posso lançar um apelo?

Se tiverem coisas de bebé, que não precisem, que não vos faça falta e que possam dar... Ajudem a Cláudia! A Cláudia é do norte... Contactem-na :)



E pronto, hoje ficámos a conhecer a "Quase Melhor Amiga", espero que tenham gostado e se tiverem sugestões de pessoas para entrevistar, deixem nos comentários.

Também podes gostar de...

9 comentários

  1. Muito obrigada 😘😘😘
    Tal como disse na entrevista, "se cada Blogger poder ajudar uma única pessoa, tem a sua missão cumprida". Hoje fizeste-me sorrir, Obrigada! MESMO! ❤❤❤

    ResponderEliminar
  2. Gostei tanto. Gostei mesmo. Com sinceridade.
    E espero, de coração, que tudo corra da melhor forma. :)

    A Marta

    ResponderEliminar
  3. Gostei imenso da entrevista, querida! :D

    amarcadamarta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  4. Adoro ficar a conhecer novas pessoas e novos blogs! Infelizmente, não tenho nada para ajudar, mas, se tiver conhecimento de alguém que tenha e que não se importe de ajudar. Eu vou apelar! :D https://bolacha-mariaa.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Oh adorei conhecer um pouco mais sobre ela
    vou passar pelo cantinho dele
    Beijinhos
    CantinhoDaSofia /Facebook /Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  6. Gostei muito da entrevista, não conhecia a Claúdia. Gostava de poder ajudar mas de momento não conheço ninguem que tenha coisinhas de bebe.
    Mas muita força!
    Beijinhos

    https://www.facebook.com/SaraCustodiio
    http://saracustodioblog.blogspot.pt/

    Sara Custódio | Facebook

    ResponderEliminar
  7. Gabo-lhe a coragem de assumir que a família dela não tem sido muito correcta... toda a sorte do mundo!!

    ResponderEliminar
  8. Adorei esta entrevista, não conhecia a Cláudia mas fiquei vidrada na pessoa tão genuína, corajosa e decidida que entrevistaste :)
    Realmente a vida da geração dos 20's desta altura não tem a vida nada facilitada. Por mais que se trabalhe, estude e faça tudo para poupar, a nossa vida às vezes parece não avançar, porque há demasiadas condicionantes à nossa volta. É triste que estejamos neste momento numa fase tão limitativa naquele que é o nosso país. Mas há coisas que só se entendem quando as passamos e estarem a ser abençoados com uma princesa é o motivo mais bonito para continuarem a acreditar em algo (muito) melhor que está por vir.
    Beijinhos e obrigada pela partilha :)

    ResponderEliminar